Diferença entre ética e moral

Nesse pequeno trecho da entrevista concedida ao Programa do Jô, o professor Mario Sergio Cortella difere de uma forma bem humorada a ética da moral, além de discutir o papel da época nesses conceitos.

Para ajudar a refletir sobre o vídeo:

A moral tem um caráter:

  • Prático imediato
  • Restrito
  • Histórico
  • Relativo

A ética:

  • Reflexão filosófica sobre a moral
  • Procura justificar a moral
  • O seu objeto é o que guia a ação
  • O objetivo é guiar e orientar racionalmente a vida humana

Retirado do site http://www.notapositiva.com/resumos/filosofia/moraletica.htm

Transcrição do vídeo (feita no blog http://artedartes.blogspot.com.br/2008/07/prof-mrio-sergio-cortella.html):

Ética
É o conjunto de valores e princípios que eu e você usamos para decidir as três grandes questões da vida, que são:

"Quero – Devo – Posso"

Quais são os princípios que usamos em nossas vidas?
– Existem coisas que eu quero mas não devo;
– Existem coisas que eu devo mas não posso;
– Existem coisas que eu posso mas não quero.
Quando é que você tem paz de espírito? Você tem paz de espírito quando aquilo que você quer é o que você pode e é o que você deve.
Como se define a ética? Através dos modos, através do exemplo, através de princípios da sociedade, religiosos ou não; através de normatizações…
Há vinte anos, num auditório, algumas pessoas fumariam e outras não. Há dez anos haveria uma placa: "É proibido fumar". Hoje não é mais preciso nenhuma imposição, ninguém fuma por censo comum. Às vezes isso surge como norma. Quando o cinto de segurança passou a ser obrigatório no Brasil, tinha gente que até vestia a camisa do time de futebol Vasco da Gama (que é branca com uma faixa transversal preta) só para enganar o agente da lei, tal a má vontade em obedecer a essa normatização. Hoje, todo mundo entra no carro e automaticamente coloca a faixa, sem nem lembrar da multa. – Isso significa que a ética vai se construindo.
Não existe ninguém "sem ética". O deputado que frauda, rouba, o falso amigo que mente e engana e o patrão que explora seus empregados? Esses têm uma ética contrária à ética da maioria. São "antiéticos". Mas isso ainda é um tipo (deturpado) de ética.
Moral, imoral e amoral
Amoral é alguém incapaz de decidir, escolher e julgar: uma criança até determinada idade; um idoso com síndrome de Alzheimer. Um demente social… Estes são amorais.
Uma pessoa de trinta anos, saudável e consciente, amoral, não existe. Moral é a prática de uma ética. Ética é a concepção dos princípios que eu escolho, Moral é a sua prática.
Eu tenho um princípio ético: não me apoderar do que não me pertence. Meu comportamento moral é se eu roubo ou não. O princípio se traduz numa moral. Uma pessoa amoral é alguém incapaz de decidir, julgar e avaliar. É o que a lei chama de "incapaz".
Quem é imoral? Existem pessoas que consideram, por exemplo, o beijo entre dois homens imoral. – Isso depende da referência de moral da sociedade e da época relacionadas.
Se eu fosse um grego clássico: Sócrates, o principal pensador desse período, era casado com Xantipa e tinha um amado, Alcebíades, um jovem general de 27 anos. Aliás, quando Sócrates morre, está nos braços de Alcebíades. – Xantipa entende isso, lá no século IV aC, como uma coisa normal daquela cultura. Hoje, talvez isso não seria entendido como uma coisa tão perturbadora, mas há 30 anos seria inadmissível.
Isso não quer dizer que a ética é relativa. A moral é que é relativa. A ética pertence a uma época e a um grupo, mas ela traz sempre a tentativa de ser universal. – Como as cartas dos Direitos Humanos: há 40 anos nós estamos discutindo essas questões de 1968. E há 60 anos estamos discutindo a "Declaração Universal dos Direitos do Homem". São tentativas de se chegar a uma ética universal, comum a todos os seres humanos: "toda criança tem que ser respeitada, não pode haver discriminação entre os povos", etc, etc… Esses princípios devem ser preservados? Se a resposta for positiva, não podemos dizer que a ética é uma coisa relativa. Existe uma força muito maior e desconhecida que nos diz que as crianças devem ser respeitadas, que o preconceito não deve ser tolerado e outros princípios básicos como esses.
Como isso se traduz na prática? Esta é uma outra percepção.

Recomento a visita ao blog http://artedartes.blogspot.com.br/2008/07/prof-mrio-sergio-cortella.html para assistir e ler a entrevista na integra.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s